Média ultrapassa RS 10 mil nos Touros Braford do 7º Leilão Genética Reunida

Por em 10 de outubro de 2016

whatsapp-image-2016-10-10-at-10-43-59

Embora o ano de 2016 tenha se caracterizado por incertezas no plano político e econômico, o 7º Leilão Genética Reunida realizado na última sexta-feira (7) em São Gabriel atingiu boas médias e um faturamento total de R$ 329.750,00. Promovido pelas cabanhas Pitangueira e Luz de São João, o leilão oficializado pela Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) comercializou 55 animais da raça Braford, sendo 20 touros, que atingiram uma média de R$ 10.150,00; 15 vacas, totalizando R$ 3.450,00; e 20 novilhas, com R$ 3.750,00.

Destaque para o touro mais valorizado de propriedade da Estância Luz de São João. O reprodutor foi adquirido pelo criador Benito Bianqui, de São Gabriel, por R$ 13.500,00. Já a novilha com melhor desempenho no remate – também de propriedade da Luz de São João – foi comercializada por R$ 4.800,00 e adquirida pelo criador Ney Azambuja, da Santa Tereza (Arambaré/RS).

Entre as vacas, o exemplar mais caro veio do Grupo Pitangueira. O animal foi adquirido pelo valor de R$ 9.750,00 pelo sócio e criador Raul Gonçalves Southall, da Cabanha Vacacaí, São Gabriel/RS.

whatsapp-image-2016-10-10-at-10-43-48

Pedro Lopes Monteiro e Celso Jaloto Avila Júnior, organizadores do evento

Na avaliação do proprietário da Luz de São João, Celso Jaloto Avila Júnior, que também é diretor de eventos da ABHB, os leilões realizados no primeiro semestre do ano seguiram com valores médios em uma ligeira queda, comparados aos de 2015. Entretanto, no segundo semestre a situação mudou.

“Poderíamos citar vários fatores do porquê desse reflexo negativo, mas acredito que o principal deles seja a baixa do preço do boi gordo e dos animais de reposição, principalmente o caso do terneiro, que baixou o seu valor de comercialização”, opinou.

Esta demanda reprimida, conforme o organizador do remate, deixa uma pergunta: “O ciclo da pecuária está mudando? Ou será que é apenas uma situação passageira, fruto do momento econômico atual?” questionou ele, ao responder: “a virada do ano nos dirá isso, com certeza”.

Por Tatiana Feldens, reg. Prof. 13.654

Fotos: Katega Vaz

Ascom ABHB

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Translate »